Sporting: Juiz diz que suspeitos de ataque a Alcochete nutrem «por quem está à frente da equipa»

Juiz que presidiu os interrogatórios judiciais dos 23 detidos pelo ataque em Alcochete afirma que «foram movidos por sentimentos de ódio» que nutrem «por quem está à frente da equipa».

Carlos Decas, o juiz que presidiu os interrogatórios judiciais realizados aos 23 detidos pelo o ataque à Academia do Sporting, afirmou que os suspeitos foram «movidos por sentimentos de ódio» e que nutrem «por quem está à frente da equipa de futebol de que eles gostam, mas que não lhes dá a satisfação que desejam», avança a Sábado, que teve acesso ao despacho que decretou a prisão preventiva aos arguidos.

No documento, o juiz considerou que as agressões aos jogadores e membros da equipa técnica do clube dos leões são «chocantes», «tendo em conta a idade dos arguidos» e «aquilo que o desporto deve constituir para os jovens».

«É a perversão do desporto, a utilização dos atletas para os adeptos se sentirem campeões e , quando tal não é atingido, castigam os jogadores», declara o magistrado judicial do Barreiro.

LEIA MAIS: Pedida prisão preventiva para os 23 arguidos envolvidos nos incidentes na Academia do Sporting

 


RELACIONADOS

Sporting: Juiz diz que suspeitos de ataque a Alcochete nutrem «por quem está à frente da equipa»

Juiz que presidiu os interrogatórios judiciais dos 23 detidos pelo ataque em Alcochete afirma que «foram movidos por sentimentos de ódio» que nutrem «por quem está à frente da equipa».