Nuno Farinha convocado para o Mundial 2018: «Cristiano Ronaldo e o Benfica»

Nuno Farinha convocado para o Mundial 2018: «Cristiano Ronaldo e o Benfica»

Se os jogadores já dizem que escutar o hino da Liga dos Campeões é sempre um momento arrepiante, agora imagine-se o que deva ser disputar uma final. Então e quem tem oportunidade de jogar duas? Um sonho. E três? Um privilégio! E quatro? Uma raridade. E cinco? Uma benção? E cabe na cabeça de alguém […]

Se os jogadores já dizem que escutar o hino da Liga dos Campeões é sempre um momento arrepiante, agora imagine-se o que deva ser disputar uma final.

Então e quem tem oportunidade de jogar duas? Um sonho. E três? Um privilégio! E quatro? Uma raridade. E cinco? Uma benção? E cabe na cabeça de alguém que um jogador tenha a possibilidade, ao longo da carreira, de estar em seis finais da Liga dos Campeões? Seis? Será mesmo possível?

Sim. A proeza cabe ao suspeito do costume: Cristiano Ronaldo. Este sábado, em Kiev, a nossa maior estrela vai disputar a final da Champions League pela 6.ª vez (!) e ainda estamos para saber se o registo ficará por aqui.

O jogo entre Real Madrid e Liverpool será o último que CR7 cumpre antes de se juntar aos seus colegas no estágio da Seleção Nacional.

Um momento especial (mais um) numa carreira já a transbordar de recordes, mas onde parece haver sempre espaço para mais qualquer coisa. Um pontapé de bicicleta histórico, um hat-trick, um troféu ou uma Bola de Ouro. Qualquer coisa serve.

As duas primeiras finais da Champions que Ronaldo disputou foram ao serviço do Manchester United. A primeira em 2008 (frente ao Chelsea) e a segunda em 2009 (frente ao Barcelona). Todas as que se seguiram foram já no Real Madrid: 2014, 2016, 2017 e agora esta, de 2018. É muita final!

«Jogar no Real Madrid tem sempre uma pressão adicional. É como em Portugal o Benfica: tens o FC Porto, que é bom, tens o Sporting, mas o clube de que as pessoas mais falam é o Benfica», compara Cristiano Ronaldo

O hábito está instalado e talvez seja por isso que os jogadores do Real Madrid – e Cristiano, em especial – já não são atacados por crises de ansiedade e estados de nervosismo.

É ‘apenas’ mais uma final. Não surpreendeu, assim, que Cristiano Ronaldo tenha demonstrado tanta tranquilidade na recente entrevista ao programa El Chiringuito de los Jugones (Mega TV).

De tal maneira que, às tantas, para explicar a grandeza e a importância social do Real Madrid, o craque deu o exemplo do… Benfica.

«Jogar no Real Madrid tem sempre uma pressão adicional. Estamos no centro das atenções, outros clubes não sentem tanto. Com Barcelona e Atlético Madrid não é igual, por mais que queiram.

«Não é a mesma coisa. É como em Portugal o Benfica: tens o FC Porto, que é bom, tens o Sporting, mas o clube de que as pessoas mais falam é o Benfica.»

Um amigo sportinguista, sempre bem-humorado, não demorou a mandar-me uma SMS sobre o assunto. Dizia assim: «Já só falta a Kátia Aveiro aparecer a cantar na Gala Cosme Damião». «A Dona Dolores fazer uns petiscos na Catedral da Cerveja. E o Cristianinho mudar-se para o Caixa Futebol Campus. Tudo nos acontece…»

Nuno_Farinha

Nuno Farinha, jornalista
#convocado para o #Mundial2018

LEIA MAIS: «Carlos Queiroz sem limites»

LEIA MAIS: «O Smart de Bernardo Silva»

LEIA MAIS: «O engenheiro é que sabe»


ÚLTIMOS ARTIGOS

Nuno Farinha convocado para o Mundial 2018: «Cristiano Ronaldo e o Benfica»

Se os jogadores já dizem que escutar o hino da Liga dos Campeões é sempre um momento arrepiante, agora imagine-se o que deva ser disputar uma final. Então e quem tem oportunidade de jogar duas? Um sonho. E três? Um privilégio! E quatro? Uma raridade. E cinco? Uma benção? E cabe na cabeça de alguém […]