Eutanásia: «Morte a pedido, não, ontem, hoje e sempre»

Eutanásia: «Morte a pedido, não, ontem, hoje e sempre»

Lamento profundamente a posição favorável de Rui Rio. Nunca pensei ver um “Bloco Central” pela «promoção deliberada» da morte.

Os Projectos-Lei de PS, BE, PEV e PAN apresentados, durante este ano, na Assembleia da República sobre a eutanásia e a morte medicamente assistida que vão ser votados na próxima semana suscitaram um debate na sociedade portuguesa sobre o tema.

Os portugueses devem ter a consciência plena daquilo que a Assembleia da República está na iminência de aprovar nos próximos dias.

Apesar de o Parlamento possuir legitimidade para decidir, a verdade é que, à excepção do PAN, nenhum partido político discutiu este tema na campanha eleitoral das últimas eleições Legislativas.

Não compreendo a urgência de votar a despenalização da eutanásia. Parece-me que levar a votos estes projectos-lei passa mais por agradar a uma parte dos partidos que integram a “geringonça” que adoram e se afirmam por estas questões fracturantes do que por uma preocupação efectiva com os portugueses.

Apesar da forma extemporânea como foi lançado o debate sobre a eutanásia registo a participação neste importante debate de várias personalidades e entidades de indiscutíveis méritos que tornaram públicas as suas opiniões sobre diversas questões levantadas por esta temática altamente sensível que divide inexoravelmente a sociedade portuguesa.

Apenas vou recordar a posição pública do actual Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, que em conjunto com os ex-bastonários José Manuel Silva, Pedro Nunes, Germano de Sousa, Carlos Ribeiro e Gentil Martins, tornaram pública numa carta que fizeram chegar ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Nesta declaração, subscrita pelos últimos bastonários da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães deixa claro se opõem à despenalização da eutanásia substanciando-se na ideia que os médicos «melhor do que qualquer cidadão, conhecem as práticas» sublinhando que «a maior parte das pessoas não estão informadas, ainda não se sabe distinguir eutanásia de distanásia».

«É necessária mais informação, mais debate, melhor esclarecimento, para que as pessoas formem uma opinião e a transmitam aos partidos políticos.» Parece-me uma posição muito equilibrada que manifesta conhecimento e bom senso.

A vida humana constitui um valor primordial que tem subjacente a dignidade da pessoa humana. Em meados do século XX, na sequência das duas grandes guerras mundiais, a vida humana ultrapassou a questão individual passando-se a olhar para esta como um bem jurídico que impede qualquer Estado de cometer, por qualquer meio, atentado contra a vida dos seus concidadãos.

Estes princípios estão bem patentes no artigo 2.ª da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e no n.º1, do artigo 24.º da Constituição da República Portuguesa.

Mas ultrapassada a questão jurídica avancemos para a questão humana, ética e médica.

No plano ético o código dos médico é muito claro. O caminho deverá passar por uma maior e melhor relação humana e de confiança entre médico e doente possibilitando ao último uma escolha no âmbito clínico e terapêutico.

Mais a morte medicamente assistida vai precisamente no sentido contrário aos progressos evidentes da medicina, nas últimas décadas, que visam o combate da mortalidade temporã evidenciada numa crescente esperança média de vida das pessoas.

É inaceitável a “promoção deliberada” da morte sustentada numa lei aprovada pelas senhoras e senhores deputados na Assembleia da República – a quem não passei nenhuma procuração para o efeito – tornando-a num simples acto médico. Não, isto não aceito.

A despenalização da eutanásia parece mais pretender ser uma medida economicista do Estado que poderá dar lugar a um desinvestimento na rede de cuidados paliativos que atingirá sempre os portugueses mais carenciados.

Apenas sete países no mundo e seis estados norte-americanos avançaram para a legalização da eutanásia e da morte medicamente assistida mas sempre em condições muito restritas em que se exige a participação efectiva dos médicos na tomada de decisão. Estes números evidenciam um cuidado especial dos Estados na abordagem de uma matéria tão sensível como são a vida e a morte.

Numa Europa profundamente envelhecida, existem cuidados acrescidos quando se discute a eutanásia

Hoje, nomeadamente numa Europa profundamente envelhecida, existem cuidados acrescidos quando se discute a eutanásia porque poderá existir a tentação de terceiros optarem por um caminho aparentemente mais fácil e até mais feliz sobrepondo-se à vontade da pessoa mormente em situações de idade muito avançada ou de uma maior fragilidade pessoal ou familiar.

Por isso a contrario sensu de se despenalizar a eutanásia o Estado deverá apostar numa “cultura da vida” que deverá passar por uma rede alargada de cuidados paliativos com uma efectiva cobertura de norte a sul, do litoral ao interior, passando pelas regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Mas mais, o Estado deverá dar orientações inequívocas a todos os agentes da saúde no sentido de impedir práticas de distanásia não permitindo quaisquer cedências nos tratamentos de doenças incuráveis e terminais. Estes são caminhos mais onerosos do ponto de vista financeiro mas o valor da vida e da dignificação da pessoa humana são inalienáveis.

Por todas estas razões confesso que me custou muito ouvir ontem António Costa, no discurso de abertura do Congresso do Partido Socialista, defender com grande entusiasmo a eutanásia.

Mas confesso também que lamento profundamente a posição favorável de Rui Rio nesta matéria. Nunca pensei ver um “Bloco Central” pela «promoção deliberada» da morte.

Morte a pedido, não, ontem, hoje e sempre!

Paulo Vieira da Silva [sociólogo]
Paulo Vieira da Silva | Gestor de Empresas / Licenciado em Ciências Sociais – área de Sociologia
(Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico)

LEIA MAIS: Um novo Partido Político a partir de Belém


ÚLTIMOS ARTIGOS

Eutanásia: «Morte a pedido, não, ontem, hoje e sempre»

Lamento profundamente a posição favorável de Rui Rio. Nunca pensei ver um “Bloco Central” pela «promoção deliberada» da morte.