'Big data' atrai gigantes tecnológicos para montanhas do interior pobre da China

‘Big data’ atrai gigantes tecnológicos para montanhas do interior pobre da China

Em Guiyang, capital de uma das províncias mais pobres da China, milhares de servidores, dispostos em túneis escavados em montanhas, entre arrozais e arvoredo, processam em tempo real ‘gigabytes’ de dados de gigantes da tecnologia.

Guiyang, China, 03 jun (Lusa) – Em Guiyang, capital de uma das províncias mais pobres da China, milhares de servidores, dispostos em túneis escavados em montanhas, entre arrozais e arvoredo, processam em tempo real ‘gigabytes’ de dados de gigantes da tecnologia.


Situada no sudoeste da China, esta cidade converteu-se nos últimos anos no centro da indústria de ‘big data’ do país asiático, atraindo firmas como a Apple, Huawei, Tencent ou Alibaba, com incentivos fiscais e mão-de-obra e eletricidade baratas.


“Os jovens locais continuam a ir estudar para outras cidades, mas agora muitos regressam para trabalhar”, descreve Wu Zhanghong, responsável pela Associação de Jovens Profissionais de Guiyang, num fenómeno que contraria o tradicional fluxo migratório para as prósperas províncias do litoral.


Centenas de torres envidraças e complexos de luxo erguem-se hoje na capital de Guizhou, província onde um quarto da população – 11,5 milhões de pessoas – continua a viver abaixo do limiar da pobreza fixado pelas autoridades chinesas – 6,3 yuan por dia (84 cêntimos de euro).


“Quando era nova passei fome”, conta uma empregada de mesa de meia idade e cara rechonchuda. “Mas hoje como bem”.


Em 2017, o Produto Interno Bruto de Guiyang avançou 11,3%, para 353 mil milhões de yuan (48 mil milhões de euros). No mesmo período, a economia chinesa cresceu 6,9%.


Nos subúrbios da cidade, túneis escavados em montanhas armazenam dados para as principais firmas tecnológicas chinesas. A localização assegura um fluxo natural constante de ar, evitando o sobreaquecimento de milhares de servidores a operar 24 sobre 24 horas.


O desenvolvimento do ‘big data’ é uma das prioridades da China, visando modernizar as indústrias nacionais e a administração pública, mas que tem suscitado críticas, por possibilitar ao regime chinês uma maior vigilância sobre os cidadãos.


“A China está a implementar uma estratégia nacional para o ‘big data’ que ajudará o país a fazer a transição de um modelo económico com altas taxas de crescimento para um de alta qualidade”, afirmou o Presidente chinês, Xi Jinping, na mensagem que inaugurou um evento dedicado ao setor, em Guiyang, na semana passada.


Na sede do grupo chinês Truck Alliance Group, painéis LED com dois metros de altura, dispostos ao longo de trinta metros, exibem ao pormenor e em tempo real dados sobre os fluxos logísticos em toda a China.


O modelo de negócio desta firma, avaliada em seis mil milhões de dólares, é único no mundo: liga camionistas a empresas que precisam de transportar as suas mercadorias, num país onde o transporte com camiões é assegurado por motoristas independentes.


“Maximizamos cada deslocação”, descreve um porta-voz do grupo. “Por ano, em média, poupamos a cada motorista 50.000 yuan (6.690 euros) em combustível”, explica.


O ‘big data’ gerado pelo Truck Alliance serve, por exemplo, para seguradoras criarem novos produtos, redefinir a localização de postos de abastecimento ou combater o congestionamento. Parte das instalações da empresa é ocupada pela polícia, que garante assim acesso aos dados, permitindo detetar irregularidades em tempo real.


Críticos apontam, no entanto, os perigos da concentração de dados num Estado autoritário que está a criar um sistema de crédito social que atribui pontos a cada cidadão segundo o seu comportamento, situação financeira, desempenho profissional ou académico.


Sebastian Heilmann, cientista político alemão, classifica aquele sistema de “leninismo digital”.


“Um sistema de crédito social é uma perspetiva completamente nova na regulação não só da economia e do mercado, mas também da sociedade”, afirma.


Entretanto, no interior de Guizhou, as preocupações são outras: “Aqui, trabalha-se para sobreviver”, conta Luo Hongxia, natural de Cantão e professora voluntária numa aldeia remota da província.


“As pessoas alimentam-se, mas não têm acesso a carne”, descreve. “são subnutridas”.



JPI // PJA

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

‘Big data’ atrai gigantes tecnológicos para montanhas do interior pobre da China

Em Guiyang, capital de uma das províncias mais pobres da China, milhares de servidores, dispostos em túneis escavados em montanhas, entre arrozais e arvoredo, processam em tempo real ‘gigabytes’ de dados de gigantes da tecnologia.