Níveis muito elevados de pólen em Portugal nos próximos sete dias

Níveis muito elevados de pólen em Portugal nos próximos sete dias

As regiões de Castelo Branco, Lisboa, Setúbal, Évora e Portimão vão ter níveis de pólenes muito elevados ao longo dos próximos sete dias, diz o Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

As regiões de Castelo Branco, Lisboa, Setúbal, Évora e Portimão vão ter níveis de pólenes muito elevados ao longo dos próximos sete dias, diz o Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

Para a semana de 8 a 14 de junho, a SPAIC prevê concentrações de pólenes muito elevadas nessas regiões continentais e concentrações elevadas no Porto (Entre Douro e Minho) e Vila Real (Trás-os-Montes e Alto Douro), que apresentam níveis moderados de pólen.

A SPAIC indica também que, ao contrário da maioria das regiões do continente, os pólenes estarão em níveis baixos na Madeira, destacando-se os pólenes das ervas gramíneas e parietária, e, nos Açores, os pólenes encontram-se em níveis moderados, com predomínio dos pólenes das árvores pinheiro e palmeira e das ervas gramíneas, parietária e tanchagem.

Os pólenes das árvores carvalhos e oliveira predominam nas regiões de Trás-os-Montes e Entre Douro e Minho. No que diz respeito às ervas, predominam os pólenes de gramíneas, parietária e tanchagem em Trás-os-Montes e urtiga, parietária, gramíneas e tanchagem em Entre Douro e Minho.

Nas regiões da Beira Interior, Beira Litoral, Lisboa, Setúbal e Algarve prevalecem os pólenes das árvores carvalhos e oliveira.

Os pólenes das ervas gramíneas predominam nas regiões da Beira Interior e da Beira Litoral, com o acréscimo das ervas tanchagem e parietária, respetivamente

Nas regiões de Lisboa, Setúbal e Algarve destacam-se os pólenes das ervas parietárias, gramíneas e quenopódio, com acréscimo das ervas tanchagem no Algarve.

Os pólenes das árvores sobreiro e oliveira e das ervas gramíneas, tanchagem e parietária serão os dominantes no Alentejo.

As concentrações de pólenes são suscetíveis a provocar doenças alérgicas, e estas podem ser do aparelho respiratório (asma e rinite alérgica), dos olhos (conjuntivite alérgica) ou da pele (urticária e eczema).

O Boletim Polínico efetua a divulgação semanal dos níveis de pólenes existentes no ar atmosférico recolhidos através da leitura de postos em várias regiões do país.

 


RELACIONADOS

Níveis muito elevados de pólen em Portugal nos próximos sete dias

As regiões de Castelo Branco, Lisboa, Setúbal, Évora e Portimão vão ter níveis de pólenes muito elevados ao longo dos próximos sete dias, diz o Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).