Ramos-Horta desafia Casa de Portugal a apoiar fortalecimento do português em Timor-Leste

Ramos-Horta desafia Casa de Portugal a apoiar fortalecimento do português em Timor-Leste

O ex-Presidente da República timorense desafiou a Casa de Portugal em Timor-Leste, apresentada hoje oficialmente a público, a associar-se aos esforços do Governo timorense e ao apoio do Governo português para o fortalecimento da língua lusa no país.

Díli, 10 jun (Lusa) – O ex-Presidente da República timorense desafiou a Casa de Portugal em Timor-Leste, apresentada hoje oficialmente a público, a associar-se aos esforços do Governo timorense e ao apoio do Governo português para o fortalecimento da língua lusa no país.


“A Casa de Portugal vai secundar os esforços do Governo timorense e do Governo português em expandir o português. O português não está a desaparecer em Timor. Está a aparecer. Em 1975 praticamente não havia português e hoje as estatísticas oficiais falam de 23% a falar português”, frisou.


José Ramos-Horta falava no ato de apresentação pública da Casa de Portugal de Timor-Leste, que decorreu hoje no Centro Cultural da Embaixada de Portugal em Díli, espaço que acolhe, temporariamente, o que é a primeira associação portuguesa de Timor-Leste.


A cerimónia ficou marcada pela assinatura da adesão formal à associação dos seus 25 primeiros fundadores, entre eles o próprio José Ramos-Horta.


Para o Nobel da Paz a nova associação pode ajudar ao esforço, que deve ser “conjunto” perante a “avalanche” da Indonésia, país vizinho que tem mais de 100 de estações de televisão, milhares de estações rádio e muita imprensa escrita, com muitos conteúdos a chegar a Timor-Leste.


“Imaginem a avalanche de tudo o que é da Indonésia aqui. Estamos numa situação mais precária e vulnerável do que a Guiné Bissau onde se fala da influência do francês”, disse o ex-chefe de Estado e atual ministro de Estado.


“Em Timor-Leste temos essa vulnerabilidade. As pessoas não aprendem uma língua por saudosismo ou por romantismo, aprendem por necessidade e a necessidade interna de comunicação”, considerou.


Ramos-Horta defendeu que o Governo timorense tem que fazer mais esforços nesta matéria impondo, por exemplo, às embaixadas, que só enviem mensagens ao executivo português ou tétum, as duas línguas oficiais.


Fernando Figueiredo, presidente da direção da Casa de Portugal deu conta dos objetivos e estatutos da associação.


Sem fins lucrativos e criada por um grupo inicial de 25 pessoas, a nova associação foi criada, segundo os seus estatutos, para zelar pela “preservação da identidade da comunidade e do seu património cultural, nomeadamente da língua e cultura portuguesas” e contribuir para o desenvolvimento de Timor-Leste estão entre os objetivos da Casa de Portugal.


Outro dos objetivos é que a associação possa tornar-se “num interlocutor privilegiado na procura de soluções para problemas específicos que afetem a comunidade portuguesa em Timor-Leste”.


Promover a solidariedade na comunidade portuguesa e fomentar as relações com as demais comunidades são outros objetivos da associação que quer ainda criar núcleos de ação cultural e de formação.


Um dos primeiros objetivos da associação é encontrar uma sede para desenvolver as suas atividades, tendo Ramos-Horta sugerido o uso do edifício do antigo Sporting Clube de Timor que está praticamente abandonado há décadas, localizado ao lado da Embaixada de Portugal em Díli.


“Surgiram uns entusiastas timorenses que reclamaram a existência do Sporting. Mas não existe. Estes meus patrícios nem sequer têm umas sapatilhas”, disse Ramos-Horta.


“Podemos amigavelmente conversar com eles e ver como pode passar a ser a Casa de Portugal. Vamos fazer disso e depois encontrar gente com dinheiro aqui em Timor-Leste que possa ajudar nas obras a fazer a Casa de Portugal”, afirmou Ramos-Horta.


Intervindo na cerimónia, José Pedro Machado Vieira, embaixador de Portugal em Díli e que se tornou hoje no primeiro sócio honorário da Casa de Portugal – leu um excerto de uma carta enviada pelo secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro.


A carta saúda a iniciativa que considera “mais uma expressão da vitalidade, dinamismo e capacidade de mobilização” da diáspora portuguesa.


O diploma defendeu um esforço para envolver jovens na associação que deve procurar “complementaridades” e adaptar-se à realidade da comunidade portuguesa em Díli – cerca de mil pessoas, segundo os registos consulares.


Uma comunidade que é “permanentemente renovada” com muitos a ficarem apenas durante períodos mais curtos.



ASP // ZO

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Ramos-Horta desafia Casa de Portugal a apoiar fortalecimento do português em Timor-Leste

O ex-Presidente da República timorense desafiou a Casa de Portugal em Timor-Leste, apresentada hoje oficialmente a público, a associar-se aos esforços do Governo timorense e ao apoio do Governo português para o fortalecimento da língua lusa no país.