Descida do PIB do Japão põe fim a oito trimestres de crescimento consecutivo

Descida do PIB do Japão põe fim a oito trimestres de crescimento consecutivo

O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão caiu para 0,06% no primeiro trimestre do ano, após oito trimestres de crescimento consecutivo, numa diminuição de 0,2% em relação ao período homologo de 2017, foi anunciado.

Tóquio, 08 jun (Lusa) – O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão caiu para 0,06% no primeiro trimestre do ano, após oito trimestres de crescimento consecutivo, numa diminuição de 0,2% em relação ao período homologo de 2017, foi hoje anunciado.


De acordo com os dados divulgados pelo Ministério das Finanças nipónico, o declínio do PIB, no primeiro trimestre deste ano, teve como causas principais a diminuição dos gastos do consumidor e o menor investimento em propriedades residenciais.


O trimestre de janeiro a março encerrou o período mais longo de expansão económica do Japão desde o final da década de 1980.


Analistas, citados pela agência noticiosa norte-americana Associated Press, afirmaram que esta diminuição do PIB, que reflete o valor total dos bens e serviços produzidos por um país, está em linha com as expectativas dos investidores. Para estes analistas, a preocupação está na diminuição dos gastos no consumo.


“Os consumidores estão preocupados com os preços do petróleo, por isso é difícil perceber quando é que o consumo vai melhorar”, disse Harumi Taguchi, da IHS Markit.


O objetivo dos EUA, de redução do défice comercial, levantou preocupações na economia do Japão, que depende muito das exportações.


Harumi Taguchi disse prever que a economia nipónica possa recuperar no próximo tremeste e que atinja um PIB entre 1% e 1,2%. A analista declarou esperar um crescimento anual de 1,1% em 2018.



MIM // EJ

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Descida do PIB do Japão põe fim a oito trimestres de crescimento consecutivo

O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão caiu para 0,06% no primeiro trimestre do ano, após oito trimestres de crescimento consecutivo, numa diminuição de 0,2% em relação ao período homologo de 2017, foi anunciado.