Milhares de trabalhadores participam hoje na manifestação nacional da CGTP em Lisboa

Milhares de trabalhadores participam hoje na manifestação nacional da CGTP em Lisboa

Milhares de trabalhadores de todo o país deslocam-se hoje a Lisboa para a manifestação nacional da CGTP contra a política laboral e em defesa dos trabalhadores.

Lisboa, 09 jun (Lusa) – Milhares de trabalhadores de todo o país deslocam-se hoje a Lisboa para participar na manifestação nacional da CGTP contra a política laboral e em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores.


Sob o lema “Lutar Pelos Direitos, Valorizar Os Trabalhadores!”, os manifestantes vão desfilar, ao início da tarde, entre o Campo Pequeno e o Marquês de Pombal.


“Garantidamente vamos ter uma grande manifestação em Lisboa, que poderá ser o ponto de partida para a intensificação da ação reivindicativa nos locais de trabalho”, disse à agência Lusa João Torres, da direção da Intersindical.


Segundo o sindicalista, estão contratados mais de 150 autocarros e quatro comboios com partida do Porto para transportar trabalhadores até Lisboa.


A manifestação de sábado tinha sido convocada para defender a necessidade de valorização do trabalho e dos trabalhadores, através de uma melhor distribuição da riqueza e da melhoria das condições de vida e de trabalho, mas, com o recente acordo de concertação social para a revisão do Código do Trabalho, a CGTP considera que existem agora motivos acrescidos para o protesto.


A CGTP defende que os baixos salários, a precariedade, a desregulamentação dos horários de trabalho e o desrespeito pela contratação coletiva só terminarão devido à luta dos trabalhadores.


Na segunda-feira, o Governo aprovou a proposta de lei para alterar o Código de Trabalho, nomeadamente reduzir o limite dos contratos a prazo e aumentar a duração do período experimental, na sequência do acordo de concertação social de 30 de maio, a que a CGTP não aderiu por o considerar “contrário aos interesses e direitos dos trabalhadores”.


O aumento geral dos salários, a fixação do Salário minimo nos 650 euros em janeiro de 2019, o fim da caducidade das convenções coletivas “e de outras normas gravosas da legislação laboral”, a reposição do princípio do tratamento mais favorável, as 35 horas de trabalho semanal para todos, o fim da precariedade, o aumento das pensões e a reposição dos 65 anos como idade legal da reforma são as principais reivindicações da Intersindical.


Estes serão os principais temas da intervenção de encerramento da manifestação, que o secretário-geral da Inter, Arménio Carlos, fará no Marquês de Pombal, onde deverá anunciar novas formas de luta.




RRA // JNM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Milhares de trabalhadores participam hoje na manifestação nacional da CGTP em Lisboa

Milhares de trabalhadores de todo o país deslocam-se hoje a Lisboa para a manifestação nacional da CGTP contra a política laboral e em defesa dos trabalhadores.