Puidgemont afirma que novo Governo da Catalunha está

Puidgemont afirma que novo Governo da Catalunha está “em boas mãos”

O ex-presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, afirmou hoje, após a tomada de posse do novo Governo catalão, que está “em boas mãos”, celebrando que o executivo se comprometa com o “mandato popular” que é “base da democracia”.

Barcelona, 02 jun (Lusa)- O ex-presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, afirmou hoje, após a tomada de posse do novo Governo catalão, que está “em boas mãos”, celebrando que o executivo se comprometa com o “mandato popular” que é “base da democracia”.


Numa mensagem publicada na sua conta de Twitter, Puigdemont celebra a tomada de posse do Governo de Quim Torra, 218 dias depois de ter terminado o seu devido à aplicação do artigo 155 da Constituição como resposta à declaração unilateral de independência.


“O caminho continua, e em boas mãos. Um Governo de mulheres e homens comprometidos com a liberdade: a do país, que quer dizer necessariamente a das pessoas que o conformam”, escreveu o líder da coligação Junts per Catalunya.


Puigdemont aplaudiu o respeito do novo Governo pelas “ideologias, línguas, culturas e crenças” e que este se comprometa a ser “fiel ao mandato popular” que é a “base da democracia”.


O primeiro vice-preidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, apelou hoje, em Barcelona a “mais diálogo” entre o Governo pesanhol e a Generalitat (governo da Catalunha) para resolver o conflito catalão.


O representante europeu, que participava na sessã de encerramento das jornadas do Círculo de Economía de Sitges, mostrou-se convito de que os políticos espanhóis são “suficientemente capazes” de resolver esta questão através da negociação e do diálogo.



RCR // PJA

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Puidgemont afirma que novo Governo da Catalunha está “em boas mãos”

O ex-presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, afirmou hoje, após a tomada de posse do novo Governo catalão, que está “em boas mãos”, celebrando que o executivo se comprometa com o “mandato popular” que é “base da democracia”.