Trump defende taxas comerciais e exige que EUA sejam tratados de

Trump defende taxas comerciais e exige que EUA sejam tratados de “forma justa”

O Presidente norte-americano defendeu a decisão de Washington de impor taxas na importação de aço e de alumínio da União Europeia, Canadá e México, reiterando que os EUA devem ser tratados de “forma justa”.

Washington, 02 jun (Lusa) — O Presidente norte-americano, Donald Trump, defendeu hoje a decisão de Washington de impor taxas na importação de aço e de alumínio da União Europeia, Canadá e México, reiterando que os Estados Unidos devem ser tratados de “forma justa”.


“Os Estados Unidos devem ser tratados, finalmente, de forma justa no comércio. Se cobramos ZERO a um país para vender os seus produtos e se são cobrados 25, 50 ou mesmo 100% para vendermos os nossos produtos, isso é INJUSTO e é intolerável”, escreveu Trump, numa mensagem na rede Twitter, utilizando letras maiúsculas para acentuar a sua posição.


“Isso não é um comércio livre ou justo, é um comércio estúpido”, acrescentou Trump que, em março passado, tinha decidido isentar de taxas estes mesmos parceiros.


Esta declaração de Trump surge um dia depois da entrada em vigor das taxas às importações de aço (de 25%) e alumínio (de 10%) da União Europeia (UE), Canadá e México, uma decisão que fez disparar as tensões comerciais e gerou palavras de condenação e represálias.


A UE e o Canadá denunciaram a decisão dos Estados Unidos junto da Organização Mundial do Comércio (OMC), organismo que se tornou o árbitro deste diferendo, já caracterizado como uma guerra comercial.


O governo canadiano, liderado por Justin Trudeau, ameaçou impor direitos alfandegários à entrada de produtos norte-americanos por uma soma semelhante de 16,6 mil milhões de dólares canadianos (11 mil milhões de euros).



SCA (SP) // MCL

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Trump defende taxas comerciais e exige que EUA sejam tratados de “forma justa”

O Presidente norte-americano defendeu a decisão de Washington de impor taxas na importação de aço e de alumínio da União Europeia, Canadá e México, reiterando que os EUA devem ser tratados de “forma justa”.